Negócios que entregam em casa 'caixa-surpresa' com curadoria de moda estão em alta

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Quem tem pânico ou preguiça de interagir com vendedores em lojas de roupas já não precisa se preocupar. É possível hoje receber em casa peças com curadoria de stylists e pagar apenas pelos itens de que gostou. O serviço, popular nos Estados Unidos, começa a crescer no Brasil. A Upperbag foi criada de olho nesse público que quer unir a praticidade de comprar roupa pela internet com a possibilidade de experimentar as peças antes de fechar negócio. Com investimento inicial de R$ 100 mil, o advogado Alexandre Abrahão, 28, abriu a empresa em 2015, focada em moda masculina. Há dois anos, passou a oferecer também roupas femininas e infantis. Alexandre Abrahão, da UpperbagCom mais de 200 marcas parceiras, atende cerca de 600 clientes por mês nas regiões Sul e Sudeste, em Goiás, no Distrito Federal e em parte de Mato Grosso do Sul, Cuiabá, e Salvador. “O objetivo é estar presente, no começo do ano que vem, em outras capitais do Nordeste, como Recife e Fortaleza”, afirma Abrahão. No ano passado, a Upperbag faturou R$ 850 mil, segundo ele. A previsão do empresário é chegar a R$ 2 milhões em 2018. “A ideia é continuar no ritmo de crescimento de 10% ao mês”, diz. Entre seus planos está o desenvolvimento de coleção própria e um clube de assinatura de roupas, ambos com previsão para o início de 2019. Para ter acesso ao serviço, é preciso preencher um questionário no site que identifica o perfil de estilo do cliente. Com base nisso, profissionais especializados (os “personal stylists”) entram em contato pelo WhatsApp para aprofundar o conhecimento sobre as preferências do consumidor. Por fim, os stylists analisam os perfis da pessoa nas redes sociais para encontrar outras informações sobre seu estilo. Hoje, a Upperbag conta com uma equipe de oito profissionais para fazer esse trabalho. Os clientes recebem, em média, 30 itens por mala, entre roupas, sapatos, acessórios e cosméticos. O valor médio das compras é de R$ 450. A pessoa tem três dias para experimentar e escolher os itens de que gostou. Para pedidos na cidade de São Paulo, no ABC Paulista e em Barueri, a empresa fica responsável pela retirada. Nas demais regiões, é preciso enviar a mala com o que não foi escolhido via Correios. O valor pago na postagem é revertido em crédito para compras no site. A Mandala, criada em abril de 2017, tem funcionamento parecido: os clientes preenchem um questionário sobre seu perfil e, por meio de análise de big data, a empresa seleciona as roupas. Criada por Filipe Longo, 26, e Guilherme Tieppo, 26, a empresa, que hoje tem como sócia a administradora Carolina Racy Andraus, 41, é especializada no público feminino. A Mandala, com 40 marcas parceiras, atende a 15 bairros na capital paulista, entre eles Campo Belo, Itaim Bibi, Vila Leopoldina e Morumbi. “Estamos nos estruturando para atuar em cidades que já têm interesse pelo serviço, como Campinas, Ribeirão Preto e Rio de Janeiro”, diz Longo. Em 2017, o faturamento da empresa foi de R$ 350 mil. A projeção é atingir R$ 1,2 milhão neste ano. Por semana são enviadas cerca de 50 malas (chamadas de mandalas). Cada mala tem 15 peças em média, e o preço médio de cada uma delas é de R$ 260. É enviado ao cliente, junto com a mala, uma carta de orientações: como combinar cada uma das peças, em que situações usá-las e por que foram escolhidas pela equipe. Segundo Ana Paula Tozzi, presidente da AGR Consultores, um dos principais desafios para quem quer atuar no segmento é encontrar o equilíbrio entre as receitas geradas e os custos de logística e também do estoque de peças que está passeando pelas casas das pessoas. “Outro desafio é acertar no mix: como entender bem o que a consumidora busca entre roupas, acessórios, lingerie, biquíni etc.?”, afirma. Enquanto a Upperbag e a Mandala mandam roupas para as casas dos clientes, a empresa LOC, em operação desde janeiro deste ano, faz o contrário: permite que as pessoas lucrem mandando suas roupas para a casa alheia. O aplicativo de aluguel de vestuário funciona por geolocalização e possibilita visualizar as peças que outros usuários topam compartilhar a uma distância de até 50 quilômetros. Com 8.600 usuários ativos, a plataforma tem mais de 9.000 peças cadastradas em Salvador, onde o negócio foi criado, e cerca de 900 na cidade de São Paulo. “O Uber trouxe a possibilidade de as pessoas compartilharem carros, o AirBnb trouxe isso ao mercado imobiliário. Por que não compartilhar roupa?”, diz a advogada Lara Tironi, 29, cofundadora. Pelo aplicativo, os usuários —em sua maioria mulheres— acertam o aluguel das roupas. A empresa lucra com uma taxa de 30% do valor da operação, percentual pago pela dona da peça. A previsão é faturar R$ 50 mil neste primeiro ano de operação. Fonte: Folha de São Paulo