Wal-Mart busca presença em vestuário on-line

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Se o Wal-Mart tiver sucesso, a estratégia do maior grupo varejista do mundo no setor de moda também pode aumentar o acesso da marca por jovens, consumidores que em geral não compram no Walmart.com. Um acordo com a Bonobos pode marcar a quarta aquisição do Wal-Mart de pequenas marcas de roupas e acessórios online, desde o começo deste ano. As aquisições estão dentro da estratégia online liderada por Marc Lore, fundador da varejista online Jet.com. O executivo assumiu os negócios de comércio eletrônico do Wal-Mart em agosto, depois que a companhia norte-americana comprou a Jet por US$ 3,3 bilhões. O Wal-Mart teve vendas em 2016 de mais de US$ 23 bilhões, segundo a consultoria Fung Global Retail & Technology. Mas apesar do gigantismo no varejo físico, a companhia não conseguiu replicar esse sucesso no mercado online. As vendas de comércio eletrônico do Wal-Mart representam 3% do faturamento da empresa, segundo a própria companhia. No segundo semestre deste ano, o objetivo é crescimento da receita online de 20% a 30%. Na busca pelas vendas online, o Wal-Mart também tenta conter a perda de mercado para a Amazon no competitivo segmento. A Amazon é líder no mercado online de vestuário e calçados, com vendas de US$ 13 bilhões em 2016, alta de US$ 9 bilhões ante a cinco anos atrás. A meta é elevar a participação no mercado norte-americano de vestuário até 2022, segundo dados das empresas de pesquisa de mercado Euromonitor e Forrester. Da Redação e Reuters Fonte:  DCI