Aquisição de concorrente pressiona a Fototica a crescer no Brasil

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
"A expansão já era um plano antes da aquisição, mas ela deverá acelerar os processos de modernizar as lojas e de trazer produtos novos ao país", afirma o executivo. O varejo óptico, que atualmente é bastante pulverizado, terá uma forte concentração nos próximos anos, na avaliação do executivo As grandes redes ocupam menos de 10% do mercado, mas, em até dez anos, a previsão é que quatro companhias representem 50% do total, diz Nilsson. "Agora é a hora de brigar para garantir que estaremos entre as quatro." Com 105 unidades, a GrandVision prevê abrir ao menos 40 franquias neste ano –o dobro de 2016. Mesmo com a aceleração, a rede está distante de empresas como Óticas Carol, com cerca de 950 lojas, Óticas Diniz, que ultrapassou as 1.000 lojas, e Chilli Beans, com 755. Após uma queda de 22% em 2016, o setor óptico iniciou este ano com uma forte recuperação: em janeiro, a receita teve alta de 19% e se manteve estável no primeiro trimestre, segundo a Abióptica, entidade do segmento. "A retração do ano passado ocorreu principalmente entre as indústrias fornecedoras e não tanto no varejo, que queimou seus estoques", afirma o presidente da associação, Bento Alcoforado. No início de 2017, porém, as companhias voltaram a fazer pedidos, o que alavancou o resultado total, diz ele. A projeção é que a receita do setor termine este ano com uma alta nominal de 15%. Fonte:  Folha de S. Paulo