53% dos profissionais brasileiros não fazem home office, diz estudo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Profissionais utilizam emails em larga escala, interagem mais em salas de reuniões da empresa e acreditam que flexibilidade de horário é que define um 'ambiente de trabalho moderno' Trabalhar de casa, realizando reuniões à distância e interagindo com colegas de forma virtual, parece ser uma realidade distante dos profissionais brasileiros. Pesquisa realizada pelo Ibope Conecta em parceria com a Microsoft aponta que 53% dos profissionais brasileiros não fazem home office. No setor público, esse número cresce para 68%.  Segundo o estudo, 83% das pessoas afirmam que o escritório ou empresa é o lugar ondem mais trabalham durante semana. A sala de reunião aparece como o lugar onde ocorre a "maior interação" e trabalho em equipe para 63% dos profissionais. 16% dizem que o local onde a colaboração mais acontece é na cozinha ou na copa das empresas. O estudo, que mapeia a relação dos profissionais com o escritório e uso da tecnologia no trabalho, ouviu 1,5 mil pessoas que trabalham em empresas brasileiras. Os entrevistados têm idade média de 37 anos, 54% deles são mulheres e metade pertence à classe B. 19% deles trabalha na área de atendimento das empresas e 15% no setor de TI. Ambiente moderno A maioria deles apontou que ter horários flexíveis e permissão para trabalhar em casa definem um "ambiente de trabalho moderno". 90% dos profissionais entrevistados consideram que um ambiente de trabalho moderno influenciaria a sua decisão ao analisar uma proposta de emprego. Para 41% dos entrevistados, um investimento maior das empresas em tecnologia poderia possibilitar esse ambiente moderno. A maioria deles (47%), aliás, já realiza — em maior ou menor escala — reuniões à distância. Ferramentas O serviço tecnológico mais utilizado pelos entrevistados é mesmo o email. 95% das pessoas utilizam pelo menos um dia por semana. 78% afirmou usar mecanismos de busca e ferramentas de comunicação externa ou interna. Aplicativos de tradução foram apontados por 36% dos entrevistados, e 29% deles disseram usar alguma rede social corporativa. Entre os entrevistados, 17% afirmaram ter assistentes digitais e 15% usam chatbot. A faixa etária que mais usa tecnologia é a de profissionais de 25 a 34 anos (30%), bem como profissionais de tecnologia da informação (45%), seguido pela área financeira (39%). Setor público Para 60% dos entrevistados que trabalham no setor público, a tecnologia está tornando mais fácil o acesso a informações para fins profissionais. 61% deles acreditam que uma melhor comunicação com gestores e colegas é o benefício mais importante trazido por recursos tecnológicos no ambiente de trabalho. Fonte: Época Negócios