Franquias de açaí chegam ao exterior

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
2016-02-01 O interesse por alimentação saudável e natural fez surgir bem-sucedidas marcas de franquias especializadas em servir misturas baseadas em açaí. E não só no Brasil - já há redes com lojas instaladas em diversos países. Uma das mais agressivas é a Açay, marca do grupo Petruz Fruit criada em 2012 e encabeçada por Janio Christino, ex-franqueado McDonald’s e Pizza Hut. Com quatro fábricas e produção anual superior a 16 mil toneladas, o grupo sediado em Castanhal (PA) e voltado ao beneficiamento de polpa de frutas, especialmente açaí, destina cerca de 40% da produção ao mercado internacional e manda cerca de 200 contêineres ao ano para 20 países. O restante fica no Brasil e chega à indústria com diversas marcas e ao varejo com a etiqueta Petruz Fruit. A implantação da franquia consumiu R$ 1,2 milhão, incluindo loja própria já repassada a franqueados. O segmento responde por cerca de 5% dos negócios do grupo e ganhou produtos exclusivos, como sorvete de açaí e tapioca em casquinha.  As opções incluem quiosque, a partir de 6 m2, e loja, a partir de 20 m2, com investimentos iniciais que começam em R$ 160 mil. A bandeira tem 12 unidades em sete Estados, quatro lojas próprias nos EUA e uma na Coreia, por meio de master-franqueado que já fechou contratos no Japão, na Índia e em Dubai. Perto de US$ 1 milhão foram investidos na internacionalização, incluindo a adaptação do cardápio a sabores locais, com produtos como café e chocolate para atender mercados mais frios e misturas com frutas como blueberry para o mercado americano. "O mercado internacional está mais aguerrido", diz Christino, cuja meta é fechar o ano com dez lojas na Coreia e mais dez nos EUA. Outra que quer chegar ao exterior neste ano é a Açaí no Ponto, rede criada por Vander Aerosa, da família ex-proprietária da Uninorte. Depois do sucesso de um quiosque em um dos 11 campi da escola e outro na região da Ponta Negra, em Manaus (AM), a marca especializada em açaí frozen abriu unidades em cinco capitais para testar operação e logística, contratou o grupo Bittencourt para formatação da franquia. Tem 58 unidades ativas e mais 15 em implantação. Agora a rede está lançando linha de tapioca com recheios à escolha do freguês e está chegando aos EUA por meio de parceiros em Miami e Boston. "O objetivo este ano é faturar R$ 35 milhões", adianta Vander. A Fast Açaí também tem os EUA no horizonte e quer chegar a Miami e Orlando ainda em 2016 com apoio de franqueados brasileiros interessados na internacionalização. A rede também nasceu em 2012 por iniciativa dos irmãos Pedro Lima e Belisário Júnior, donos de um restaurante especializado em alimentação natural criado nos anos 1990 em Goiânia, que se juntaram a outro irmão, Maurício Lima, e mais um amigo, Frederico Junqueira. Para sustentar o sistema de franquia e reduzir a principal dificuldade do ramo da alimentação, o manuseio dos produtos, a saída foi automatizar o processo. A formatação do produto ideal levou seis meses. Outro desafio foi contornar a resistência dos shopping centers à nova marca. A solução foi criar quiosques indoor, para instalação em locais como hipermercados e galerias, e outdoor, com contêineres fornecidos por empresa parceria, para espaços como estacionamentos e similares. O cardápio foi enriquecido com sanduíches naturais, wraps, saladas e crepes, além de misturas de açaí e cupuaçu. A maior parte dos produtos chega semi pronta aos restaurantes e a rede agora vai testar o sistema de sucos de frutas em cápsulas, o Juice in Time, em substituição ao suco de caixinha. Ao fim de 2012, já eram 12 lojas, entre próprias e de terceiros. O ano passado fechou com 96 lojas, das quais dez próprias, com faturamento de R$ 20 milhões. A meta para este ano é chegar a R$ 43 milhões, com 200 lojas. O investimento inicial é de R$ 140 mil. O modelo atraiu Alessandro Thomaz, que abriu sua primeira unidade em 2014. Hoje, ele tem cinco unidades e deve inaugurar a sexta em fevereiro, em Brasília. "A primeira loja na cidade faturou R$ 55 mil no terceiro mês de operação." Fonte: Valor Economico Leia mais notícias no Portal, clicando aqui. Conheça os serviços do Grupo BITTENCOURT