Quem quer ser um franqueador?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Em minha trajetória pelo Franchising, além de buscar respostas, procuro perguntas. Como posso de alguma forma contribuir para o crescimento consistente do sistema de forma que as empresas optem por franquias como forma de expansão segura e não como salvação para crises. Pode até parecer um absurdo, mas muitas empresas em fase de “crescimento” procuram no Franchising uma saída. E acreditam que taxas de Franquia e royalties garantirão sua sobrevivência no mercado. Deve ser por isso que, na busca de minhas perguntas, o que vi com grande frequência é: “Como posso me tornar um franqueador?”, ou ainda, “como transformar meu negócio em uma rede de franquias?”. Bom, sem incluir qualquer juízo de valor ao tema, o que pretendo é contribuir. Vamos lá! Antes de qualquer coisa, o Franchising deve partir de alguns pré-requisitos obrigatórios – transmissão de marca e know how. Desses pré-requisitos podemos extrair algumas conclusões. Transmissão de marca não é simplesmente dar o mesmo nome do seu negócio a terceiro. Você, na relação de Franquia se compromete a ceder uma marca reconhecida e uma marca sua. Ou seja, marca reconhecida porque é um negócio de sucesso, e Franchising é replicar sucesso! Outro ponto, você precisa ter a propriedade da marca, caso contrário estará cedendo o que não tem, podendo causar sérios prejuízos a terceiros que acreditaram no seu negócio. Sendo assim, antes de pensar em Franchising avalie como está a situação de sua marca. Vamos ao know how. A transmissão do know how visa a diminuição da curva de aprendizado do Franqueado no desenvolvimento do negócio próprio. Ou seja, as pessoas buscam franquias porque querem um negócio de sucesso, já formatado, que “alguém”, leia-se, Franqueadora, vai ensinar tudo o que precisa para que o negócio dê certo.  Ele espera ter sucesso no negócio porque a Franqueadora já aprendeu e já descobriu a melhor forma de operar e gerar lucros. E mais ainda, a Franqueadora sabe como ensiná-lo! Para tanto, mais do que histórico que propicie o know how, a Franqueadora precisa saber transmiti-lo, tendo seus processos documentados, treinamentos desenvolvidos e forma de acompanhar tudo isso – resumindo: estrutura. Longe de mim desanimar alguém! Muito pelo contrario. O Franchising cresce de forma exponencial, tem o triplo do crescimento do país, os dados são animadores. Porém, só experimentará o bom do franchising com muito preparo e dedicação. Recentemente assisti uma reportagem sobre os “bilionários” brasileiros, se não me engano, de cinco entrevistados, três tinham suas fortunas decorrentes de redes de franquia. Você também pode e existe mercado para crescer, só resta saber se você está preparado, e em um sentido amplo. Para os desafios e para as vitórias, para crescer e fazer quem acreditou em você crescer também, pois sem ganha-ganha, não tem crescimento, não tem sucesso, não tem Franquia. Pensando assim, como tornar uma empresa Franqueadora e colher os louros do sucesso: - Registrar a marca no INPI; - Desenvolver um plano de negócio para as Franquias, com projeção de resultados para, pelo menos, 5 (cinco) anos; - Desenvolver/ Manualizar processos - Estruturar treinamentos - Ter estrutura de acompanhamento ao Franqueado - Ter Instrumentos Jurídicos condizentes com a relação que se espera – longa e saudável, dando segurança ao Franqueado e à Franqueadora. Esse processo de “formatação”, como é chamado, não é rápido e é um investimento com retorno de médio a longo prazo. Mas é de uma satisfação inigualável quando se vê a rede expandir. E você, antes um idealizador, agora um verdadeiro realizador do seu próprio sucesso e de terceiros. Seu negócio, desenvolvido com tanto zelo, capilarizado por tantos lugares. Está preparado? Artigo escrito pela advogada Lívia O. Rocha, responsável pela área jurídica do Grupo BITTENCOURT. Conheça também os serviços do Grupo BITTENCOURT nas seguintes áreas: